Blog Curves

Muitas pessoas relatam sentirem uma intensa necessidade de comer – muitas vezes direcionada a doces ou algum outro alimento específico. Essa necessidade em geral é uma simples “vontade de comer” ou em outros momentos é o “comer emocional”.

6

A “vontade de comer” vem geralmente direcionada a algum alimento. Mas não se engane. Não necessariamente será assim. Muitas vezes as pessoas estão acostumadas a comer uma quantidade X de comida e quando começam a comer uma fração disso sentem a “vontade de comer” mais. A memória de um alimento saboroso está bem guardada, principalmente quando foi muito prazerosa a experiência de se alimentar ou mesmo quando costumava ser um hábito. Uma memória bem “viva” deste alimento pode ocasionar esta “vontade de comer”.

O comer por estresse emocional obedece às mesmas regras da “vontade de comer”, porém, ocorre no momento em que alguma emoção negativa está ativa, como raiva, tristeza, estresse, frustração, etc. O que o nosso cérebro irá fazer é tentar adicionar uma experiência positiva para sobrepor a emoção negativa. Tentamos até mesmo retirar a emoção negativa através de uma ingestão de prazer.

Muitas pessoas comem pelo hábito, pelo “comer emocional” e pela “vontade de comer, mas poucas comem pela fome fisiológica. Esta, como o próprio nome já diz vem de uma sensação fisiológica do nosso corpo. Sabemos quando estamos com muita fome por uma dor que se localiza no centro da barriga. Sabemos também que estamos “cheios” também por um desconforto abdominal. Geralmente sabemos diferenciar apenas em 3 categorias (“estou com muita fome”/ “não estou com fome”/ “estou cheio”). Passamos a não mais conhecer nosso corpo e suas necessidades. Não adquirimos uma visão cuidadosa para este aspecto.

Você pode estar se identificando, mas não sabe por que isso acontece afinal. Nosso cérebro em uma forma de responder à estímulos. Sendo o estímulo a “fome”. Interpretamos estímulos em duas categorias básicas: prazeroso/desprazeroso. A sensação de desconforto fisiológico em geral é interpretado como “desprazeroso” e a tendência é evitarmos a sensação de fome. O que ocorre é que estamos sempre comendo a mais. Se percebemos que vamos ficar com fome em alguns instantes corremos para a comida. Isso ocorre sem nem ao menos percebermos. E mais: vai se tornando um hábito.

Minha dica: esteja atento ao seu corpo, a satisfação e fome fisiológica e coma de acordo com isso. Não adianta alguém dizer a quantidade que você deve comer. Você é quem precisa adquirir um autoconhecimento e saber controlar isso. Não coma para ficar cheio. Coma para se sentir satisfeito. E não tema aquela sensação fisiológica da fome. Ela é natural. Se você senti-la termine o que quer que você esteja fazendo no momento com calma e depois prepare um lanche saudável.

Maria Cristina Lopes | Psicóloga do emagrecimento | CRP 5/47829 | mariacristinalopes.com | @emagrecimentosemestresse | 21993053432 | cristina@mariacristinalopes.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>